Saúde pelas águas e pelo descanso

Por Luís Filipe Freitas e Filipa Pires

A estância termal da Curia é uma referência nacional, muito devido às características da sua água mineral natural, com indicações terapêuticas específicas para o aparelho nefro-urinário, mas também às boas condições do hotel e ao espaço envolvente, que propiciam uma estadia relaxante. Assim, este pode considerar-se um excelente destino para o turismo de saúde e bem-estar.

As termas da Curia são centenárias. Há cerca de 110 anos, um estudante de medicina chamado Luís Navega, ao aperceber-se que as pessoas que se banhavam nas águas da lagoa sentiam melhorias, decidiu investigar o assunto, pedindo ajuda a um seu professor de química, o francês Charles la Pierre, para fazer o estudo químico da água mineral medicinal da Curia. Mais tarde, aquando da construção da linha de comboios para Lisboa, os engenheiros edificaram o primeiro balneário artesanal destas termas.

PROPRIEDADES DA ÁGUA MINERAL E INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
O buvette, de onde a água sai a 20 graus centígrados, é muito mais recente e, em função das características químicas das águas, a orientação termal mudou um pouco, e os pacientes passaram a bebê-las, segundo explica o Dr. Dinis Martins Calado.
A água mineral natural das Termas da Curia é de composição iónica sulfatada, cálcica e magnesiana, o seu pH é 7,2 e a mineralização total hipersalina (+-1900 mg/L). «Esta água tem uma influência no metabolismo orgânico do cidadão, provavelmente por causa do magnésio iónico, que entra rapidamente na circulação sanguínea, o que é completamente diferente de tomar um comprimido, que precisa de ser metabolizado», explica o diretor clínico.
O Dr. Dinis Martins Calado está nas Termas da Curia há cerca de 40 anos e afirma que «quando para cá vim, fiz alguma investigação científica, sobretudo nos indivíduos hiperuricemicos, e verifiquei estatisticamente e está demonstrado pela Faculdade de Ciências que os resultados foram francamente positivos: a funcionalidade dos rins melhorava significativamente».
Assim, a principal indicação terapêutica é para o tratamento da hiperuricemia. Esta água é muito benéfica para os rins, na medida em que evita a deposição do ácido úrico nos tubos renais, e a consequente nefropatia úrica, grave e complexa, que pode determinar uma insuficiência renal.
O médico garante ainda que a água termal «é de um interesse enorme no tratamento da litíase úrica; os cálculos renais de oxalato de cálcio são na realidade muito difíceis de partir, mesmo com as máquinas de ultrassom, mas em relação aos do ácido úrico, [esta água] pode francamente evitá-los e até dilui-los, não permitindo sequer que se organizem».
No caso da hipertensão, verifica-se também um efeito positivo, pois a água regulariza o metabolismo orgânico, faz com que as «vesículas hipocinéticas, que funcionam mal, funcionem francamente melhor. E verifiquei que esta água tem uma eficácia impressionante no tratamento das cistites de células claras, que aparece fundamentalmente nas mulheres, resolve o problema, quando nenhum outro medicamento resultava», acrescenta o diretor clínico.

Nas Termas da Curia, aconselha-se os pacientes a começar com uma dose relativamente baixa para verificar se a água tem algum efeito secundário. O tratamento inicia-se com 60 cm3 e vai aumentando progressivamente 20 ou 30 cm3, dependendo da pessoa. Fazem-se três tomas de manhã e três à tarde.
E o Dr. Dinis Martins Calado deixa mais algumas recomendações: «Digo sempre aos pacientes para fazerem as termas uma ou duas vezes por ano para prevenirem os cálculos de oxalato de cálcio, é uma forma de evitar que se formem. O ideal seriam 21 dias, mas 14 já não é mau, sete dias é pouco tempo. Recomendo aos indivíduos hiperuricemicos que tenham muito cuidado com o regime alimentar, podemos comer tudo, mas em pequenas quantidades. A partir dos 50 anos só se pode comer para viver».

UM CONVITE AO BEM-ESTAR
Como aqui os tratamentos se definem pela água, será indicado complementar as termas com o SPA e a balneoterapia, que tem efeitos de mobilizar um pouco melhor as articulações, ajudando a aliviar problemas como artroses e artrites. Os utentes podem optar pela hidromassagem de relaxamento, piscina termal com jato subaquático, duche escocês ou duche Vichy. E estão também disponíveis algumas massagens, como massagem de relaxamento ou geotermal.
A unidade hoteleira das termas da Curia tem 102 quartos duplos, um restaurante com capacidade para 300 pessoas, salas de reunião, e um auditório do antigo casino. Está inserida num parque com 14 hectares que pertence à Sociedade das Águas da Curia, com a mesma direção, e onde ainda se encontram uma pastelaria, campos de futebol e um grande lago artificial onde os visitantes podem circular em pequenas embarcações comummente chamadas «gaivotas». Disponibilizam-se também bicicletas, várias atividades lúdicas, caminhadas e percursos pedestres.
Em 2018, lançou-se um projeto denominado Parque das Artes, com o objetivo que «este espaço envolvente se torne um palco de vários eventos, de maio a outubro, com exposições, eventos de moda, pintura, música», refere Cristina Tocante. «No verão temos uma maior afluência, somos muito procurados por famílias com crianças pequenas, temos o parque, a piscina exterior, o parque infantil, o lago com as carpas. Cada vez mais as pessoas procuram os espaços que transmitem tranquilidade, e este é um espaço fantástico porque as crianças estão em segurança», garante a diretora de operações da unidade hoteleira.
Um outro projeto de grande sucesso é aquele que se dedica ao turismo sénior, em parceria com várias juntas de freguesias e câmaras municipais: «alguns grupos de seniores, num mínimo de 25 pessoas, ficam três noites/quatro dias ou sete noites/oito dias, beneficiam da parte termal e das atividades culturais e lúdicas, deslocamos o grupo a Aveiro, andam de comboio regional, de moliceiro e vão visitar a fábrica dos ovos-moles».
Mais perto, no município da Anadia, os hóspedes do hotel Termas da Curia podem ficar a conhecer a Capela de Nossa Senhora das Neves, o Museu do Vinho da Bairrada ou fazer uma rota dos vinhos, por várias caves da zona. Exemplos bem bonitos do Património Natural próximo são a Barragem da Gralheira e a Barragem do Saidinho, a Praia da Mira e a Praia da Barra. Sugerimos ainda que passe pela loja e merceeira tradicional “Curia e Tradição”, onde poderá adquirir produtos típicos, e que visite o projeto de investigação de etnobotânica do Engenheiro Valdomiro Pereira, localizado em Aidos da Vila – Vilarinho do Bairro. |

Contactos:
Termas da Curia Spa Resort
Anadia, Centro, Tamengos, 3780-514
231 519 800
reservas@termasdacuria.com
www.termasdacuria.com

Artigos Relacionados